segunda-feira, 7 de agosto de 2017

O bebê define a hora certa de amamentar


O universo da maternidade é cercado por muitas dúvidas. Uma delas é de quanto em quanto tempo a mãe deve amamentar o bebê para que ele seja saudável. A pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Miquelina Lucia Santarsiere Etchebehere, explica que o aleitamento materno deve ser livre demanda, ou seja, feito sempre que o bebê tiver fome.

Muitas vezes, a insegurança das mães pode atrapalhar este ato e criar normas que não existem. A pediatra ressalta que com o aleitamento materno não pode, nem deve existir uma preocupação em relação à quantidade de vezes oferecidas. “Amamentar de três em três horas é apenas uma média de ingestão de alimento. Quando a criança chora, você pode dar de mamar.”

De acordo com a médica, nem sempre o bebê chora por fome. “Tirando todos os desconfortos, como dores, temperatura, posição, se mesmo assim continuar chorando, a mãe deve amamentar”, afirma. Mas alerta para que esse processo seja feito apenas quando o alimento for exclusivamente o leite materno. Alimentar com complemento ou leite artificial não deve ser livre demanda.

De acordo com a especialista, oferecer o leite materno sempre que o bebê estiver com fome não traz nenhum risco ao peso ou mesmo de ocorrer uma sobrecarga de alimentação. “Com bebês pequenos isso não acontece, eles choram de fome e têm uma capacidade gástrica pequena. Se ele mamar mais do que suporta, vai regurgitar esse leite.”

A importância da amamentação é enfatizada pela pediatra, pois fortalece a relação entre mãe e filho e traz grandes benefícios à saúde de ambos. “A mãe volta ao peso de antes da gravidez mais rapidamente e a criança controla o peso. Já os bebês amamentados com mamadeiras tendem a ser mais obesos do que os alimentados com leite natural”, complementa a médica.


Outro ponto importante neste processo, segundo Miquelina Lucia Santarsiere Etchebehere, é a qualidade do leite. “Por mais que os artificiais sejam modificados para imitar o alimento materno, o leite natural é específico, com todas as vantagens possíveis, como a passagem de anticorpos à criança”, reforça a pediatra.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Café ajuda a perder peso


Que os benefícios do café são inúmeros, ninguém discorda. A novidade é que ele pode dar um empurrãozinho para quem quer perder de peso. Segundo a pesquisa da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong, na China, a cafeína, principal estimulante presente no café, ajuda a queimar calorias, aumentando a liberação de oxitocina. Esse hormônio afeta tanto o apetite quanto o metabolismo, dois pilares bem importantes para o emagrecimento. Em testes feitos com camundongos acima do peso e que receberam altas doses de cafeína, foi observado que os animais conseguiram emagrecer.

No Brasil a novidade é tricafeinada e com óleo de coco. Segundo George Arliani, fundador do café Dark Poison, que endossa a pesquisa e promete ajudar quem quer perder peso e praticar atividade física, a combinação de Dark Poison com óleo de coco deu origem a uma bebida encorpada, saborosa e aromática.

Como funciona?
Arliani conta que o Dark Poison Bulletproof Coffee possui uma substância que auxilia na redução dos níveis de glicose e, desta forma, o corpo queima gordura no lugar para conseguir energia, acelerando a perda de peso e proporcionando ótimos efeitos no cérebro. Além do mais, o produto ajuda a manter a saciedade, reduz a fome, estimula o corpo e a mente e aumenta a queima de gordura. “A gordura saturada suporta a queima lenta de gordura, as triglicérides de cadeia média promovem a termogênese, acelerando o metabolismo, e o café aumenta a queima de gordura”, diz ele.

Ao pé da letra, Bulletproof Coffee quer dizer um café à prova de balas. A bebida é resultado de uma mistura entre café e óleo de coco. “Mas tem que ser um café livre de micotoxinas, substâncias químicas tóxicas produzidas por fungos e óleo rico em triglicérideos de cadeia média, como o óleo de coco”, explica Arliani.

Recomendações
O café deve ser associado a uma dieta regular e à prática de atividade física. Arliani recomenda que seu uso seja feito antes da prática de exercícios físicos. Isso, porque, diz ele, a cafeína estimula o sistema nervoso central proporcionando uma maior resposta de endorfinas, tornando o exercício mais prazeroso, além de aumentar a resistência do indivíduo. “O café é cheio de antioxidantes que ajudam no combate aos radicais livres e contêm compostos, como ácido clorogênico, que são associados com proteção a diabetes tipo 2”, afirma.


quarta-feira, 12 de julho de 2017

Mitos e verdades sobre a toxina botulínica


A aplicação da toxina botulínica é uma prática cada vez mais comum na vida de homens e mulheres que almejam rejuvenescer sua aparência física e elevar a autoestima. Com a popularização do procedimento estético, é natural que surjam mitos sobre o assunto. Pensando nisso, a médica-chefe da rede Pró-Corpo Estética Avançada, dra. Adriana Benito lista alguns pontos importantes para esclarecimento e desmistificação do assunto. Confira:

A toxina botulínica proporciona efeitos imediatos?
MITO. A diferença começará aparecer após 48 ou 72 horas da aplicação, em determinada região. Para que os efeitos sejam visivelmente notáveis, é necessário aguardar o período de quinze dias ou mais até que os músculos se acomodem.

A toxina botulínica só é indicada para corrigir rugas?
MITO. De acordo com a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a toxina botulínica é recomendada também para alterações corporais como, por exemplo, estrabismo, blefaroespasmo, distonias, espasticidade e hiperidrose palmar e axilar (suor excessivo).

Não existe idade mínima para fazer esse tipo de tratamento.
VERDADE. Nesse caso, o mais importante é a recomendação apropriada, vinda de um profissional especializado. Muitos procedimentos estéticos não necessitam de idade mínima, no entanto é primordial recorrer a profissionais qualificados e clínicas credenciadas e reconhecidas, para a correta indicação.

A sobrancelha sobe com a aplicação do Botox®.
VERDADE. Ao ser aplicado no local correto, a toxina botulínica pode fazer com que a sobrancelha se eleve sutilmente, o que proporciona uma aparência mais jovial a quem se submete ao procedimento.

A toxina botulínica  perde o efeito ao longo dos anos?
MITO. Você pode usar a toxina botulínica por quanto tempo desejar ao longo da vida e o efeito será sempre o mesmo. Pode acontecer de a condição da sua pele mudar devido ao processo de envelhecimento, isso possivelmente exigirá uma quantidade maior da toxina ou um tratamento diferente.

Se eu aplicar a toxina botulínica, meus lábios aumentarão?
MITO. A toxina botulínica não preenche ou aumenta o volume de determinada região. Ao contrário do preenchimento, é usada para suavizar rugas e linhas de expressão por meio do relaxamento do músculo, sem preenchimento.

A aplicação do procedimento estético é dolorida.
MITO.O procedimento é praticamente indolor, mas para pessoas mais sensíveis é possível aplicar um anestésico tópico local. Consulte um especialista para conhecer os protocolos de segurança do método.


quinta-feira, 6 de julho de 2017

Maca peruana proporciona energia, força e resistência


A maca peruana é uma raiz e pode ser consumida na forma de farinha ou cápsulas. É uma planta que lem­bra um rabanete e é rica em fibras. A fibra dá saciedade, faz o intestino funcionar, aca­ba com o inchaço e a gula, e seca a barriga! A maca peruana tem sido utilizada desde os povos antigos até hoje para diferentes tipos de sintomas e quei­xas, ou simplesmen­te como um estimu­lante. Ela ajuda o corpo a adaptar-se a níveis elevados de estresse e não tem qualquer efeito se­cundário.

A maca é excelen­te para dar energia, força e resistência. É extremamente rica em minerais, vitaminas e proteínas, contendo muitos dos aminoácidos essenciais e particularmente rica em cálcio e magnésio, dois dos minerais mais deficitá­rios na nossa dieta moderna.

Alguns benefícios:
- Diminui o apetite.
- Evita a anemia e a osteoporose.
- Excelente como regulador hormonal pa­ra as mulheres durante a menopausa (subs­tituindo com vantagem as hormonas artifi­ciais) e para as mulheres que sofrem de TPM (tensão pré-menstrual).
- Aumenta a libido e ajuda nos problemas de infertilidade.
- Contém formas naturais de esteroides e, portanto, é popular entre os atletas para me­lhorar o seu desempenho e aumentar a mas­sa muscular.
- É fonte de ener­gia, indicada para os que sofrem de fadiga crônica ou depres­são.
- Reduz a queda de cabelo relaciona­da com irregularida­des hormonais.
- Diminui os ní­veis de colesterol.
- Rejuvenescedor natural.
- Melhora o humor.
- Auxilia em casos de impotência para os homens.


terça-feira, 27 de junho de 2017

Como tratar e evitar as olheiras



O rosto é o nosso cartão de visitas, mas infelizmente os primeiros sinais de envelhecimento surgem exatamente na região da face. A olheira, cujo nome médico é hiperpigmentação periorbital, é um problema comum que atinge mais frequentemente as mulheres. Embora não tenha impacto na saúde física, afeta a autoestima e a qualidade de vida.
Isso porque essa condição interfere na aparência facial, causando um aspecto de cansaço, tristeza ou até mesmo de ressaca, o que pode comprometer a vida social e profissional de quem sofre com esse problema. Segundo a dra. Tatiana Nahas, oftalmologista, especialista em cirurgia de pálpebras e Chefe do Serviço de Plástica Ocular da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, a olheira é a diferença de cor entre a pele que reveste as pálpebras e o restante da pele facial.
“A região ao redor dos olhos, que chamamos de periorbital, é uma das primeiras áreas a mostrar os sinais do envelhecimento. Além das rugas e da flacidez, é muito comum ocorrer a hiperpigmentação dessa região, ou seja, as temidas olheiras”, explica a médica, que responde sobre as principais dúvidas dos pacientes.
De onde vêm as olheiras?
A origem das olheiras é complexa e inclui diversos fatores. As causas podem ser primárias, quando há fator genético envolvido, ou secundárias quando há apenas fatores ambientais. Não há uma definição exata de sua origem, mas hipóteses sugerem fatores como hereditariedade, excesso de exposição solar, hiperpigmentação pós-inflamatória, excesso de vascularização subcutânea, hipertransparência da pele, edema periorbital e herniação da gordura palpebral como as causas mais prováveis.
Os descendentes de árabes, turcos, hindus e ibéricos costumam herdar essa característica geneticamente. Mas, ela pode se agravar se a pessoa se expuser aos fatores de risco, como fumar, consumir álcool em excesso, dormir pouco e fizer uso de certos medicamentos. Portanto, existem condições mistas. Outros fatores de risco envolvidos nas olheiras são as doenças alérgicas, como rinite e asma, doenças que atingem os rins, coração e tireoide.
Quais são os tipos de olheira?
Como há diferentes tipos de olheiras, é preciso cautela nos tratamentos. Cada paciente irá demandar uma ou mais terapêuticas diferentes, mesmo porque raramente a olheira é causada por apenas um fator. A melhora dos “olhos escuros e cansados” é feita por combinações de tratamento.
·         Pigmentar (olheira verdadeira): olheiras que surgem pelo acúmulo da melanina. O tratamento deve ser realizado em conjunto com o dermatologista, que geralmente aplica laser para melhora do quadro.
·         Muscular: ocorre quando há hipertrofia do músculo orbicular pré-tarsal: o tratamento com toxina botulínica alcança bons resultados.
·         Bolsa de gordura: por protusão (protuberância) das bolsas de gordura inferiores. O tratamento é feito por meio da blefaroplastia (cirurgia de pálpebras) inferior transconjuntival ou transcutânea.
·         Sulco Nasojugal: ocorre pela formação de sombra abaixo dos olhos por evidência do ligamento palpebromalar (ou sulco nasojugal). O tratamento é feito com preenchimento com ácido hialurônico.
Como a toxina botulínica melhora aspecto da olheira?
Quando a pessoa sorri e fica um “gordinho” logo abaixo dos cílios, significa que ela tem um músculo orbicular mais espesso e forte que, ao se contrair, simula uma olheira. Para amenizar esse aspecto, é usada a toxina botulínica para diminuir a contração das fibras musculares. O tratamento dura no máximo seis meses.
Como o preenchimento melhora o aspecto da olheira?
Existem diversos preenchedores faciais. O mais próximo do “ideal”, atualmente, é o ácido hialurônico. Ele está presente em diversos tecidos do organismo, inclusive na pele, mas perde suas qualidades de hidratação e elasticidade com o tempo. Por isso quando confeccionado industrialmente possui ligações intercelulares mais estáveis (crosslinking) e pode durar até 18 meses. O ácido hialurônico é usado para preencher espaços entre as células e quando colocado no sulco nasojugal dá volume a uma área deprimida, refletindo mais luminosidade no local tratado, disfarçando as olheiras.
Como a blefaroplastia melhora o aspecto da olheira?
Nos casos em que há excesso de pele ou de gordura nas pálpebras, é possível corrigir por meio de uma blefaroplastia, cirurgia feita nas pálpebras.
É possível prevenir? 
Dicas para prevenir o agravamento ou surgimento das olheiras:
·         Dormir de 7 a 8 horas por noite
·         Não fumar
·         Consumir álcool com moderação
·         Evitar coçar os olhos, pois a fricção pode levar ao rompimento de vasos sanguíneos e consequentemente ao escurecimento das pálpebras
·         Usar protetor solar específico para a região dos olhos e evitar a exposição solar, mesmo que esteja usando protetor solar
·         Diminuir o consumo de sal e sódio, pois essas substâncias levam à retenção de líquido, que pode impactar no inchaço das pálpebras.


sexta-feira, 23 de junho de 2017

Mitos e verdades sobre a conjuntivite


A conjuntivite é uma das doenças oculares mais comuns no Brasil. É a inflamação ou infecção - dependendo da gravidade - da membrana mucosa que reveste a parte branca do globo ocular. Geralmente provoca aumento da secreção do muco, acentuada pela irritação, e pode ser causada por uma série de fatores.

Olhos avermelhados, irritados e difíceis de abrir pela manhã são alguns dos sintomas comuns, mas para saber identificar qual o tipo de conjuntivite e o tratamento adequado só mesmo recorrendo à orientação medica.

Para ajudar a esclarecer sobre os riscos que envolvem a doença, o oftalmologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Gustavo Seibin Takahashi, elencou os principais mitos e verdades sobre a conjuntivite.

Existem vários tipos de conjuntivite?
Verdade.
Na maior parte dos casos, elas são causadas por uma infecção de origem bacteriana ou viral, mas podem ser provocadas também por alergias – cerca de 20% da população mundial é propensa a desenvolver este tipo de inflamação.

Os tratamentos para conjuntivite viral e bacteriana são iguais?
Mito.
No caso da viral é necessário apenas o uso de soro fisiológico para limpeza, colírios e compressas geladas para o alívio da dor. Já a bacteriana, exige medicação com antibióticos.

A conjuntivite alérgica é transmissível?
Mito.
Neste caso a conjuntivite é uma reação do organismo do próprio paciente, podendo ser provocada por substâncias como poeira, pólen, mofo, produtos de maquiagem, entre outros. Por isso, não há risco de transmissão.

Colírio pode ser usado todos os dias e também nos casos de conjuntivite?
Verdade, com uma ressalva.
Mesmo aqueles que servem apenas para lubrificar os olhos também são consideramos medicamentos, por isso é importante atenção ao excesso. A utilização diária ou pontual (para o tratamento de conjuntivite) de qualquer tipo de colírio deve ser adotada somente sob recomendação médica.

Coçar os olhos pode causar conjuntivite?
Verdade.
As mãos estão cheias de microrganismos e bactérias que provocam irritação nos olhos, levando até ao desenvolvimento de uma inflamação ou infecção.

Lentes de contato causam a conjuntivite?
Mito, com ressalvas.
A utilização do tipo adequado e o manejo de forma correta não causarão conjuntivite. Somente as lentes que não recebem a higienização necessária podem ser uma fonte de contaminação para os olhos. Além disso, se estiverem mal colocadas também causam irritação e, quando não reposicionadas a tempo, podem iniciar um processo inflamatório. Mas é recomendável evitar o uso caso esteja com conjuntivite.

Águas do mar ou de piscina causam conjuntivite?
Mito.
Se banhar em águas sujas pode causar inflamação ocular, que não é conjuntivite. Além disso, um paciente diagnosticado não pode frequentar piscina, pois o cloro agrava os sintomas.

Ficar perto de uma pessoa com conjuntivite automaticamente causa transmissão?
Depende.
Varia de acordo com a imunidade de cada pessoa. Além disso, é preciso levar em consideração se houve contato direto com o microrganismo que causou a infecção. Aqui vale uma atenção especial às mães que amamentam devido à proximidade frequente com os bebês.

Receitas caseiras como moeda no olho e leite materno ajudam?
Mito.
É importante enfatizar que tratamentos caseiros e automedicação podem elevar as chances de complicações da conjuntivite e, em casos mais graves, há o risco de comprometer a visão. O ideal é procurar um oftalmologista assim que aparecerem os primeiros sintomas para orientação e acompanhamentos adequados.

Usar óculos ajuda a evitar o contágio?
Mito.
Não diminui as chances de transmissão, porém o uso de óculos escuros alivia a dor, já que um dos sintomas é a fotofobia – sensibilidade à luz.


terça-feira, 20 de junho de 2017

Cigarro eletrônico pode ter altos níveis de nicotina

Lançado em 2003 por uma empresa chinesa, o cigarro eletrônico caiu no gosto popular em vários países, principalmente entre os jovens, seja como alternativa ao cigarro comum, banido de lugares públicos e escritórios, ou como forma de um potencial redução de danos do tabagismo. 
O crescente consumo do produto lança um sinal de alerta na saúde pública, já que praticamente não existem pesquisas científicas no mundo que comprovem a eficácia do produto e, mais importante, seu efeitos deletérios para a saúde. 
O alerta torna-se ainda mais sério, na medida em que pouco se sabe sobre a composição do produto, uma vez que sua venda no Brasil não é permitida. “Existe a suspeita de que a concentração de nicotina indicada pelo fabricante não seja fidedigna, pois não ocorre a devida fiscalização”, alerta a dra. Jaqueline Scholz, coordenadora da Área de Cardiologia do Programa de Tratamento ao Tabagismo do Incor.


sábado, 17 de junho de 2017

Ai que dor de cabeça!


As dores de cabeça são companheiras frequentes de muita gente, hoje em dia, causadas pelo ritmo de vida acelerado que gera estresse, ansiedade, depressão e tensão constantes que, acabam com o bem-estar, a qualidade de vida e o sossego de muitos. A mais comum é, sem dúvida, a cefaleia tensional, dor parecida com a sensação de aperto, pressão na cabeça, que só ao toque já gera dor.
A cefaleia, segundo o especialista em cirurgia buco-maxilo-facial pelo Hospital Federal de Bonsucesso, Bruno Chagas, divide-se em três subtipos: a epsódica infrequente (12 dias), epsódica frequente (12-180 dias) e crônica (mais de 180 dias). As mulheres são as mais acometidas, normalmente as com idade entre 30-40 anos.
Estudos epidemiológicos apontam a presença marcante da primeira, que acomete 87% da população. A dor tende a vir e passar rápido; em alguns casos, porém, pode durar até dias, o que indica algo de errado.
Uma das causas, segundo o especialista, pode ser a contração da musculatura da face devido à sobrecarga emocional, apertamento ou ranger dos dentes, próteses mal adaptadas, contatos dentários pré-maturos (dente que toca primeiro que os outros na arcada), entre outras.
“Os estados de estresse emocional, ansiedade, tensão e depressão a que a pessoa é submetida provocam uma psicossomatização das questões emocionais sobre a região da boca e do rosto, e a pessoa, de forma involuntária, em vez de relaxar, descarrega a tensão sobre a região da boca apertando silenciosamente os dentes, o que pode ocorrer de dia ou à noite”, explica o profissional. “Por isso, a avaliação da disfuncionalidade dentofacial é um dos caminhos para a solução do problema”.
Dentre os vários tratamentos indicados para a cefaleia – incluindo intervenções médicas, sobretudo neurológicas, por meio de remédios, como analgésicos –, Chagas conta que a normalização da região dentofacial, morfológica e funcionalmente é a melhor opção. “Inibindo-se as parafuncionalidades (funções equivocadas da musculatura), as melhorias no conforto e no bem-estar do paciente são significativas”, ressalta.
Dentre as formas de tratamento da cefaleia tensional, o cirurgião cita a aplicação de toxina botulínica, que promove um relaxamento da musculatura envolvida, atenuando os espasmos musculares. Os resultados são percebidos em até 5 dias.
Crianças, adultos e adolescentes estão sujeitos ao desconforto. Muitas vezes pode ser um problema momentâneo, mas, caso o quadro vá além do normal, é aconselhável que se procure um cirurgião-dentista ou médico para melhor avaliação.


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Câncer bucal: prevenção em primeiro lugar

O câncer bucal é o sexto câncer mais comum no mundo, representando um grande problema de saúde pública e, quando não diagnosticado e tratado precocemente, apresenta alta morbidade e mortalidade. Ele é representado em 90% pelo carcinoma epidermoide (ou espinocelular) e os outros 10% representados por neoplasias mesenquimais e de glândulas salivares. Acomete principalmente o sexo masculino e idade superior aos 40 anos, podendo acometer pacientes mais jovens também.
De acordo com o cirurgião buco maxilo facial Bruno Chagas, sua causa é multifatorial - múltiplos agentes ou fatores etiológicos atuam conjuntamente na carcinogênese bucal. “Os fatores de risco associados ao aparecimento do câncer bucal incluem agentes extrínsecos, como fumo, álcool e radiação ultravioleta, e intrínsecos, como estados sistêmicos ou generalizados como desnutrição geral”, diz ele. “Alguns alimentos são considerados como agentes protetores, como tomate, cenoura, alface e outros que contenham betacaroteno em geral”.
O carcinoma epidermóide bucal pode apresentar-se de várias formas; a mais comum é de uma lesão ulcerada, bordas elevadas, nítidas e endurecidas, com centro necrosado e base endurecida. As outras formas são representadas por lesão ulcerada superficial, lesões endofíticas (ulcero-infiltrativas, ulcero-destrutivas), lesões endofíticas e lesões nodulares. O especialista ressalta que lesões bucais com mais de duas semanas, precisam ser levadas a sério, pois podem não ser uma simples afta. 
A prevenção deve envolver o diagnóstico precoce, podendo ocorrer por meio de campanhas de rastreamento, autoexame bucal e controle dos fatores de risco associados ao surgimento e desenvolvimento de câncer bucal. “O autoexame deve ser realizado por todas as pessoas independentemente da idade, já que as neoplasias malignas ou benignas podem acometer qualquer um. O exame é rápido e fácil de ser realizado e auxilia na detecção de qualquer alteração bucal, seja ela patológica ou não”, comenta Bruno. 
O tratamento do câncer bucal é baseado no tamanho da lesão, condições de saúde do paciente e a classificação TNM. A terapêutica a ser implantada é usualmente excisão cirúrgica, radioterapia e quimioterapia, que podem ser utilizadas concomitantes e/ou associadas. A abordagem cirúrgica inclui a remoção de todo o tecido maligno e normal adjacente.
O profissional explica que no planejamento cirúrgico já são incluídas as próteses maxilofaciais intra e extraorais. A quimioterapia normalmente não é tida como padrão no tratamento de câncer bucal (carcinoma), mas pode vir a ser utilizada em alguns casos específicos. “Os efeitos secundários das terapias supra-citadas na boca são mucosite tanto para a radioterapia quanto para a quimioterapia, radiodermite, xerostomia, cárie de radiação e a osteorradionecrose. O tratamento dentário prévio às diversas terapias instituídas visa minimizar os efeitos secundários advindos das mesmas”, finaliza Bruno. 


segunda-feira, 12 de junho de 2017

A importância do check-up esportivo


Na hora de fazer qualquer atividade física muitos locais pedem um atestado médico e muitas pessoas não levam o assunto a sério. Mas, utilizar qualquer atestado sem que realmente tenham sido feitos exames e avaliações é falha grave do estabelecimento e do atleta.

“Negligenciar essa etapa é colocar a saúde em risco e aumentar as chances de morte súbita”, explica a dra. Janaína Brabo (CRM 143901) do centro de bem-estar Helath4u.“Avaliar cada interessado em iniciar uma atividade física é de suma importância, pois através dos dados qualitativos e quantitativos podemos visualizar a real condição física, clínica e de seus hábitos alimentares, tendo assim base para prescrição ou restrição de algum tipo de atividades, com intuito de otimizar os objetivos pessoais propostos para cada indivíduo”, completa.

Já o diretor do espaço, Luís Gustavo Póvoa Foglia (CREF 043275-G/SP) ressalta que o check-up é o momento em que o cliente tem informações reais sobre suas condições de saúde. “Para melhorar as condições e manter o nível atual do atleta, o check-up esportivo regular confirma a condição da saúde do aluno em todas as áreas”, explica ele. As avaliações fisioterápica (postura e flexibilidade), física (teste ergométrico e resistência muscular), nutricional (composição corporal) e médica (avaliação clinica), acontecem sempre antes da montagem de um treino.

Se a busca é por resultados que sejam realmente efetivos, o check-up deve ser feito de forma regular. Por isso, ser reavaliado é fundamental para garantir as condições de saúde. “As reavaliações ocorrem a fim de buscar resultados métricos, além de ser mais assertivo na prescrição dos treinamentos. Portanto, as avaliações física, nutricional e fisioterápica ocorrem de dois em dois meses. Já a avaliação médica é semestral e ocorre para monitoramento das atividades e da saúde do praticante”, afirma dra. Janaína.

Mais do que conhecer o perfil de cada um, o mais importante, segundo a médica, é conhecer as características individuais de cada pessoa. Por isso, exames laboratoriais podem complementar a avaliação médica. “Homens e mulheres têm necessidades diferentes, por isso, as avaliações ocorrem de forma diferenciada. Recomendamos que o aluno interessado em praticar esportes realize esse protocolo para avaliação médica a fim de verificar possíveis disfunções como, colesterol, glicemia, vitaminas e até a parte hormonal se necessário”, afirma. “É válido ressaltar que o check-up esportivo é uma medida preventiva e negligenciá-lo pode potencializar algum problema de saúde oculto, por exemplo”.


sexta-feira, 9 de junho de 2017

Cuide bem das cicatrizes


Cicatrizes são uma resposta do corpo decorrente de algum ferimento, queimadura, trauma. O problema é quando, esteticamente, a cicatriz se localiza num local muito aparente, como a face.

Segundo o cirurgião plástico Alenxandre Kataoka, uma vez formada, a cicatriz é definitiva. A cirurgia plástica pode melhorar o aspecto da cicatriz, não retirá-la. Na verdade o que se faz é uma cicatriz de melhor aspecto e também reposicionando esta cicatriz, seja dentro de uma ruga, num sulco, numa estria, deixando-a menos evidente.

O profissional explica que receitas caseiras para melhorar a cicatriz são perigosas, pois podem infeccionar a lesão e piorar ainda mais o processo da cicatrização. O indicado é lavar o ferimento com água e sabão e procurar um médico.

“Caso haja necessidade de cirurgia plástica, é importante não usar remédios sem recomendação médica, nem fumar no pré-operatório”, diz ele. “O cirurgião plástico deve orientar o paciente sobre o que usar antes e depois para ajudar a amenizar as cicatrizes (como hidratantes)”.

Outro tipo de cicatriz que merece atenção é a queloide, comum em peles negras e morenas.


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Regras para viajar de avião com medicamentos


Planejou viagem mas está em dúvidas sobrehora de começar a planejar as regras o transporte de medicamentos, em especial, os de uso contínuo? O coordenador médico da Allianz Global Assistance, José Sallovitz, responde às principais dúvidas sobre o tema. Confira:

Faço uso de medicação de uso contínuo. Eu posso viajar? Quais cuidados devo ter?
Os passageiros que fazem uso de medicação contínua ou controlada podem viajar tranquilamente, desde que tomem algumas medidas preventivas. Apesar de não ser obrigatório, em viagens dentro do Brasil, é indicado levar uma prescrição médica, registrada no nome do viajante, constando os medicamentos desse tipo que estão sendo transportados. Já no exterior, com diferentes normas sanitárias, é recomendado que o passageiro leve consigo também uma versão em inglês da receita e, se possível, a nota fiscal dos medicamentos.

Qual a quantidade de medicamentos que eu posso transportar?
Isso varia de acordo com o tempo que você irá passar fora. Entretanto, uma boa dica é levar uma quantidade extra, para uma semana a mais, por exemplo, caso a sua viagem de retorno tenha que ser adiada.

Consigo comprar meus medicamentos de uso contínuo e controlado no exterior?
A prescrição médica brasileira não tem validade no exterior. Para isso, o viajante teria que passar numa consulta em um hospital local e solicitar uma receita do país em questão. Vale ressaltar que consultas clínicas não emergenciais, como essa, não estão cobertas pelo seguro viagem. Por isso, previna-se, e leve a quantidade correta dos seus medicamentos.

Durante a viagem, onde devo carregar meus medicamentos?
Sempre na sua bagagem de mão e dentro dos blísteres, a embalagem original do medicamento. Caso um imprevisto como extravio da mala aconteça, você terá os seus remédios consigo, o que no caso de medicamentos de uso contínuo são de extrema importância.

E os medicamentos de uso de rotina, que não precisam de receita. Posso levá-los sem preocupação?
Essa é uma questão importante. Alguns medicamentos de uso irrestrito aqui no Brasil, como a dipirona sódica, são proibidos em certos países, como nos Estados Unidos. Outro ponto de atenção é o uso de anti-inflamatórios. Em muitos países do exterior a sua compra só é possível com uma prescrição médica local. Por isso, vale a pena levar em sua bagagem esse remédio, mesmo que seja apenas por precaução.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Pés hidratados:cuidar sempre é bom


A estação mais fria do ano está chegando e o cuidado com os pés é essencial. Não parece, mas eles são alvos de estresse constante através das forças de atrito, da ação do peso que suportam e dos calçados mal construídos.

Cuidar bem destes pequenos notáveis é uma necessidade básica que visa o bem-estar e o bom humor nosso de cada dia. Unhas sadias, bonitas e bem cortadas; planta dos pés sem calos e calosidades são itens importantes na qualidade de vida.

O primeiro passo para o cuidado é a escolha do profissional a quem confiar os nossos pés. Uma boa formação é imprescindível, pois são indispensáveis o conhecimento técnico e o uso de instrumentais rigorosamente esterilizados e/ou descartáveis. O risco de se adquirir doenças causadas por fungos, bactérias e vírus é grande, portanto todo cuidado é pouco.
Cheque o método de esterilização usado. Um erro comum é apenas “esquentar” os materiais, deixando a estufa ligada e ir retirando o que necessita na presença do cliente, o que dá uma falsa impressão de que está sendo cuidado adequadamente. O vírus causador da hepatite B, por exemplo, só morre após exposição a 1700 C por duas horas. Palitos, lixas e etc., devem ser de uso individual, portanto descartáveis. O mais seguro é que os instrumentais sejam esterilizados em autoclave.

Os cremes devem ser retirados dos recipientes com uma espátula, esterilizada ou descartável, que não deve voltar ao pote após entrar em contato com a pele do profissional ou do cliente. Estes são alguns cuidados essenciais para termos somente alegrias durante e depois de um tratamento. Pés ressecados têm tendência a formar fissuras (rachaduras) muito antiestéticas e, às vezes, dolorosas podendo evoluir para formação de feridas.
A indústria cosmética tem desenvolvido fórmulas para o cuidado dos pés com objetivos diversos como: prevenir, recuperar, trazer conforto, bem-estar, beleza e relaxamento através de princípios ativos de eficiência comprovada.

A hidratação e relaxamento incluem as seguintes etapas:

Higienização: com sabonetes líquidos ou em emulsão;

Esfoliação: são empregados produtos contendo sementes diversas, sílica ou microesferas que promovem a retirada de células mortas e em descamação, dando mais atenção às áreas onde há queratose, que é o espessamento da pele em locais de maior atrito;

Hidratação: aplicação de cremes que tenham em sua composição agentes umectantes, cicatrizantes e protetores, como óleo de semente de uva, cera de abelha, silicone, óleo de amêndoa, óleo de macadâmia, argila, aloe-vera e uréia. O uso de bota térmica por aproximadamente 15 minutos irá potencializar a ação das substâncias empregadas;

Relaxamento: massagem com cremes que contenham óleos essenciais de efeito terapêutico e/ou extrato de plantas como: alecrim, arnica, calêndula, alfazema, lavanda, cipreste, etc. Os resultados são sentidos de imediato: pés macios, pele bonita e, principalmente, relaxamento e alívio das tensões do dia a dia.

Artigo de Suely Rodrigues Thuler, enfermeira estomaterapeuta TiSOBEST, especialista em Podiatria Clínica pela Unifesp. Saiba mais: www.staycare.com.br​​


segunda-feira, 29 de maio de 2017

Cuidado com a raiva!


Com que frequência você sente raiva? Se você respondeu que sempre ou quase sempre, fique tranquilo! Isso porque a raiva é um sentimento humano básico e natural, que pode aparecer da ideia de que fomos injustiçados ou ainda quando uma regra nossa é quebrada internamente. Entretanto, se a raiva saiu do controle, ela pode afetar suas relações no trabalho, na família e com os amigos, o que impacta na qualidade de vida em geral.

Segundo a psicóloga e neuropsicóloga Carolina Marques, a raiva é um estado emocional que pode variar de uma irritação leve a uma fúria intensa. Ela causa uma liberação de neurotransmissores como a adrenalina e noradrenalina e, por esta razão, leva a mudanças fisiológicas, como aumento dos batimentos cardíacos, elevação da pressão arterial, assim como deixa a pessoa com mais energia e disposição.

“A raiva pode surgir por eventos internos ou externos. Podemos sentir raiva de uma pessoa, de uma situação ou ainda de alguma memória traumática, que desencadeia esse sentimento. De qualquer maneira, a raiva comunica que algo está muito errado e precisa da nossa atenção”, diz Carolina.

A raiva nossa de cada dia
“Cada pessoa tem uma maneira particular para lidar com a raiva. Entretanto, quem não lida bem com essa emoção tende a ser mais ‘esquentado’, sente raiva mais facilmente e com mais intensidade. O mais agravante desta emoção é que, frequentemente, gera algum tipo de agressão, e por esta razão suas consequências podem ser irreversíveis”, diz Carolina.

Há ainda pessoas que não demonstram a raiva, mas se sentem cronicamente irritadas e mal humoradas. Em geral, são pessoas com baixa tolerância à frustração. Para Carolina, as explicações podem ser genéticas e socioculturais.

“Algumas crianças já nascem irritadas, mais sensíveis e propensas a sentir raiva com mais facilidade. Esses sinais já podem ser notados inclusive nos primeiros anos de vida. Em relação ao fator sociocultural, um exemplo é que em muitas famílias, culturas e religiões a raiva é vista como um sentimento negativo e que não deve ser expresso. Como resultado, essas pessoas não sabem lidar com a raiva de forma construtiva”, explica Carolina.

Libere a raiva para não adoecer
A raiva não gerenciada pode se transformar em ressentimento, culpa, medo, rejeição, frustração e em doenças físicas e psiquiátricas, sem contar os prejuízos sociais quando a raiva vira agressão, que é um comportamento e não um sentimento. Por isso, é preciso aprender a lidar com a raiva de forma positiva.

A neuropsicóloga explica que quando a raiva é expressa, o sistema nervoso simpático é despertado e isso ajuda na produção de linfócitos e estimula as respostas imunológicas em curto prazo. “No entanto, quando a raiva ou o sofrimento não são expressos ou tratados de maneira construtiva, o cortisol pode se elevar. Esse aumento do cortisol está relacionado com o estresse crônico que enfraquece o sistema imunológico, deixando o organismo mais suscetível a doenças cardíacas e ao câncer, por exemplo”, cita ela.

“Quando a raiva é reprimida, o corpo e os sistemas permanecem despertos, bioquimicamente estimulados. Ao se recusar a tomar consciência da raiva e não expressá-la, você perde a oportunidade de consertar algo que está erado e finalizar as respostas do corpo que foram desencadeadas. Como isso, é mais difícil para o organismo acalmar a excitação e recuperar o equilibro para voltar ao normal”, explica Carolina.

Como lidar com a raiva de maneira positiva

Pense antes de falar: No auge da raiva podemos falar coisas das quais vamos nos arrepender depois. Então, nada melhor que esperar um pouco até se acalmar.
Expresse a raiva: Por outro lado, não é bom esperar muito para resolver a questão. Portanto, assim que você voltar ao normal coloque seus sentimentos para fora, fale, converse a respeito, mas evite o confronto.
Gerencie o estresse: A raiva muitas vezes pode aparecer devido ao estresse. Pratique atividade física, coma de forma saudável, invista no seu lazer ou em qualquer atividade que ajude a diminuir o estresse.
Identifique soluções: Em vez de ficar com raiva da situação, procure pensar em maneiras de resolvê-la, principalmente se são recorrentes. Lembre-se que a raiva não resolve nada, mas atitudes sim.
Procure um psicólogo: Se a raiva está impactando na sua vida profissional e pessoal, causando prejuízos e você não sabe lidar com ela, o ideal é procurar ajuda de um psicólogo.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Dicas para evitar e aliviar rugas


Consideradas por algumas pessoas como marcas positivas de experiências de vida, as rugas podem ser um problema de extrema relevância para outras. Nesse caso, tratamentos específicos de prevenção garantem alívio aos interessados. De acordo com a dermatologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Márcia Grieco, a adoção de hábitos saudáveis, como uso de protetor solar e a hidratação correta do organismo, são algumas delas.

No entanto, antes de começar os cuidados para melhor administrar o envelhecimento da pele, é preciso conhecer as suas causas. Didaticamente, a médica classifica os motivos em intrínsecos e extrínsecos. Os intrínsecos ou naturais (idade) decorrem de processos metabólicos e fisiológicos, como a produção de radicais livres e a diminuição da capacidade de produção de colágeno e elastina. Já os extrínsecos estão relacionados à influência do meio ambiente, como poluição, clima, alimentação, tabagismo e ação da radiação solar (fotoenvelhecimento).

Confira abaixo seis dicas da dermatologista:

·         Uso de cremes (tópicos) recomendados por especialistas. Esses produtos devem conter na fórmula substâncias que atuam na neoformação de colágeno: ácido retinoico, alfa hidróxiacido (ácido glicólico), ácido ascórbico e ácido hialurônico;

·         Adoção de fotoprotetores no dia a dia. Nesse caso, a utilização de FPS com antioxidantes (chá verde, vit E, retinol, ácido ferúlico e glicina da soja), que agem na diminuição da produção da metaloproteína e aumentam a resistência imunológica da pele, reparando o DNA das células;

·         Ingestão de nutracêuticos (compostos que podem ser utilizados para suprir alguma necessidade do organismo) com orientação médica. As cápsulas devem conter ativos, que atuam como antioxidantes e antiglicantes como polipodium leucotomus, luteína, Vit E e epigalocatequinas;

·         Prática da “dieta antienvelhecimento”. Nesse caso, evitar o açúcar, considerado o grande vilão por causar o endurecimento de fibras de colágeno e elastina;

·         Conscientização da importância de hábitos saudáveis para o corpo. Além do uso do FPS diariamente e de dieta equilibrada, fazer hidratação via oral (mínimo de 2 litros de água por dia) e exercícios físicos. O abandono do tabagismo também deve ser considerado;

·         Adoção de tratamentos estéticos. Peelings, luz pulsada e laser CO2 melhoram a textura e induzem a neocolagenese (novas fibras de colágeno); radiofrequência – aquecimento da pele a 40-41°C que melhora a firmeza; toxina botulínica nas áreas de rugas dinâmicas como fronte, pés de galinha e pescoço; além de preenchimento (com substâncias absorvíveis como ácido hialurônico e outros) nos sulcos e “volumização” da face.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Será que a ansiedade dificulta o emagrecimento?


Muitas pessoas dizem “não consi­go emagrecer porque sou ansio­sa”. Realmente, na grande maio­ria das vezes, isso é verdade. Muitas pesso­as com dificuldade em emagrecer sentem-se constantemente ansiosas e não conseguem perder peso porque usam o alimento como alívio da angústia. Entram em um ci­clo vicioso, onde se sentem ansiosas, inquietas, nervo­sas, então comem para ali­viar o sintoma e, no fim, se sentem culpadas e fra­cassadas.

Segundo a psicóloga Elisângela Machado, especialista em obesidadee transtornos alimentares,viver ansioso é viver em um estado de angústia constante. “O primeiro pas­so para conseguir sair des­se ciclo é entender e traba­lhar os pensamentos que le­vam a esse estado ansioso”, diz ela. “A ansiedade é um processo automático, no qual entramos em um estado acelerado, aflito, nervoso e nem entendemos o porquê.”

A profissional explica que não é a ansiedade que faz a pessoa engor­dar, e sim a pessoa ansiosa, que não conse­gue manter uma alimentação saudável por muito tempo, precisa do alimento gorduro­so, calórico para aliviar os sintomas. Então, a angústia sentida no estado ansioso impul­siona a pessoa a comer. Aliviar todos esses sintomas ansiosos é im­portante para que se tenha mais qualida­de de vida, e consiga alcançar com mais cal­ma seus objetivos.

“A Psicoterapia Cognitiva Comportamen­tal é indicada com grande sucesso no tra­tamento da ansiedade”, ressalta Elisângela. “Du­rante a psicoterapia a pes­soa vai entender melhor co­mo a ansiedade funciona e aprender modos de ge­renciar as emoções. A psi­coterapia vai enfocar tan­to as causas quanto os sin­tomas da ansiedade, agin­do sobre ambos.”